Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Tag: china miéville

Leituras de Outubro/2017 e Novembro/2017

 

Já estamos em dezembro e só agora estou chegando na metade da meta de 100 leituras que estabeleci no Gooreads Goodreads. Mas estou achando ótimo porque não entram naquela contagem vários contos avulsos, quadrinhos e newsletters que devorei ao longo do ano. Ou é isso que eu digo para mim mesmo quando tento me convencer de que li o suficiente sim, obrigado, já olhou pela janela para ver essa tempestade de mijo de demônio que tem acometido o país?

Deixei o Gooreads rabiscado ali porque em vez de erro de digitação, acho que pode ter sido uma mensagem do meu inconsciente se meu inconsciente tiver uma partição compartilhada com um escriba de outra espécie que desenvolveu um sistema linguístico baseado em gosma–por precipitado vegetal ou excreção animal–e por isso o goo em Gooreads. Vai ver o goolfabeto é tátil e para distinguir os ideogramas você precisa ter uma camada de microcerdas nas pontas dos dedos ou demais apêndices para mapear as diferentes texturas. Vai ver o Gooreads é acessado através de uma rede neural coletiva com um nodo em cada colônia de criaturas responsável por gerenciar seu canto do site. Quem é pego insultando os outros em resenhas sem noção tem a impressão digital de suas microcerdas bloqueada e é impedido de acessar o Gooreads. Vai ver o escriba que me contatou está interessado em me ensinar o idioma para que eu possa traduzir a obra de seu povo e então começarmos um intercâmbio interespécie. Vai ver eu aceito.

Essa piração foi trazida para você diretamente do autor que já escreveu sobre nautiloides e estrelas-do-mar se comunicando através de grafluias em 2014 na coletânea Depois do Fim e recentemente sobre sereias e tubareios falando em ▒▓░░▓▓▒▓▒░ (ou a linguagem das sereias que não possui escrita) na coletânea Todas as Cores do Natal [Goodreads] [Amazon].

Eu gosto é dos carecas

Ano passado eu fiz um Top 5 de referências da cultura pop que se enraízam na minha ficção e na minha arte. O post, publicado no blog da Editora Draco, levantou um padrão que eu mesma não tinha notado antes: meu gosto pelos carecas. A sequência de carecas estilosos no meu Top 5 é a seguinte: King Mob (e, consequentemente, Grant Morrison), Spider Jerusalem e China Miéville. Depois, pensanso melhor, vi que dava pra incluir mais gente aí: Dr. Manhattan, por exemplo, sempre presente aqui no blog através do hidrogênio azul ali no meu crânio de veado. E Hellboy, meu demônio favorito.

Mas qual é o segredo dos carecas? A que sociedade secreta eles se filiam? Quais são seus planos de dominação universal? Quais frequências de ondas eletromagnéticas suas carecas brilhantes capturam e transduzem em manipulação psíquica hiperdimensional?

Okay, acho que falei demais. Daqui a pouco algum careca de preto vai entrar pela janela e sumir com meu corpo.

Bem, que venha o King Mob. E que me leve para os cuidados da Ragged Robin. Pegael, Ragged Robin.

Mas enquanto isso, olhem só essa série de carecas famosas que o ilustrador Fernando Perottoni fez.

Ilustração da careca do Dr. Manhattan, de Watchmen.