em Lendo Ficção

Lendo cyberpunk e transhumanismo na ficção nacional

Ilustração que fiz para o Inktober 2016 misturando Ghost In The Shell e Pokémon.

Em novembro do ano passado, eu tuitei pedindo por recomendações de obras nacionais cyberpunk ou que tocassem em questões transhumanistas. Queria compilar uma lista para ler/reler e resenhar aqui no blog porque leio/assisto muita coisa anglófona nesses subgêneros e preciso ter uma noção melhor do que está sendo feito em terras brasileiras. Mas (por motivos de: vida), só agora tô retomando a ideia e encaixando nos trilhos.

Também devo fazer um ensaio sobre meu próprio histórico lendo e consumindo esses subgêneros desde minha primeira publicação em 2009 e a evolução das minhas relações com transhumanismo, corpo e tecnologia e postar lá no Mural para apoiadores. Quem me viu gritando sobre Shaw/Root/Machine no Twitter durante o final de Person of Interest e depois sobre Westworld, já sabe que tenho 734 quilômetros de coisas a dizer.

Bem, vamos à lista, que ainda está em formação (notem que há muito mais homens que mulheres e quase todos são brancos, preciso dar um jeito nisso). Entram na lista desde contos avulsos até romances e obras de artes visuais (quadrinhos, ilustrações, animações e jogos, quando eu achar algum jogo) e audiovisuais nos gêneros cyberpunk, pós-cyber e qualquer FC que lide com transhumanismo ou IA. Meus critérios para escolher as obras são puramente pessoais dentro daquilo que eu tô afim de ler: autores/as que eu já gosto, adicionei na lista sem pensar duas vezes, e autores/as que ainda não conheço, adicionei depois de ler alguma amostra e achar interessante. Não terei agenda para postar as resenhas. Vou lendo e escrevendo conforme meu tempo permitir. Os títulos marcados em negrito são aqueles que eu já possuo o livro impresso ou digital. Os outros ainda preciso comprar quando sobrar uns dinheiros. Se o/a autor/a ou editora quiser me ceder um exemplar para resenha, é só entrar em contato. Serei muito grato. 😀

Também quero reler Visões Perigosas. Uma Arqui-Genealogia do Cyberpunk, da Adriana Amaral, um livro que tenho desde a adolescência, e checar Futuro Esquecido – A Recepção da Ficção Cyberpunk na América Latina, de Rodolfo Rorato Londero, que ainda não conheço e apareceu nas pesquisas de cyberpunk na Amazon.

Todos os posts dessa série serão marcados com a tag lendo cyberpunk br para acesso rápido.

Romances

Poder Absoluto, de Jean Gabriel Álamo. Edição digital de 2017 publicada de forma independente. [Amazon]

O Caçador Cibernético da Rua Treze, de Fábio Kabral. Edição impressa de 2017 publicada pela Malê. [Site da Malê]

Santa Clara Poltergeist, de Fausto Fawcett. Edição impressa de 2014 publicada pela Encrenca. Exemplar cedido pela editora. [Amazon]

Os Dias da Peste, de Fábio Fernandes. Edição digital de 2017. Ebook cedido pelo autor. [Amazon]

RIO: Zona de Guerra, de Leo Lopes. Edição digital de 2015 publicada pela AVEC. [Amazon]

Deuses e Feras, de Fabio Brust. Edição digital publicada de forma independente. [Amazon]

Mnemomáquina, de Ronaldo Bressane. Edição impressa de 2014 publicada pela Demônio Negro. Alguém quer me dar esse de presente? Tá custando 50 dinheiros aqui.

Distrito Federal, de Luiz Bras. Edição impressa de 2014 publicada pela Patuá. Exemplar cedido pelo autor. Já fiz um breve comentário sobre esse livro no post das leituras de julho, mas pretendo voltar ao texto. [Site da Patuá]

Corpo Estranho, de M.T.S. Dorrenberg. Edição impressa de 2016 publicada pela Empíreo. [Amazon]

Ficção Curta

Série REQU13M, de Lidia Zuin. Edições digitais publicadas pela Draco entre 2012 e 2013:
1. Deus sonha o homem [Amazon]
1.5. Dies Irae [Amazon]
2. O homem sonha a máquina [Amazon]
3. A máquina sonha Deus [Amazon]

Trabalho Honesto, de Rodrigo van Kampen. Edição digital de 2017 publicada de forma independente. [Amazon]

Não chore, de Luiz Bras. Edição impressa de 2016 publicada pela Patuá. Exemplar cedido pelo autor. [Site da Patuá]

Transhumano, de Marco Rigobelli. Contos publicados em 2016 no Medium.

Androides Não São Perfeitos, de Jean Gabriel Álamo. Edição digital publicada de forma independente. [Amazon]

Luzes do Amanhã e Liberdade aos Iguais, contos do livro Luzes do Amanhã e outros contos, de Sandro G. Moura. Edição digital de 2017 publicada de forma independente. [Amazon]

Fuga para o Paraíso, de Paulo Mateus. Edição digital publicada de forma independente. [Amazon]

Imaculada Concepção (Cybersampa Livro 1), de Guilherme Solari. Edição digital publicada de forma independente. [Amazon]

Codinome Electra, conto de Lady Sybylla no livro Universo Desconstruído I. Edição digital publicada de forma independente.

Boneca, conto de Clara Madrigano no livro Universo Desconstruído II. Edição digital publicada de forma independente.

Artes Visuais & Audiovisual

Bipolar, quadrinho de Renan Rivero, Samuel Bono, Diogo Torres e Omar Viñole. O projeto foi recentemente bem-sucedido numa campanha do Catarse e ainda será publicado.

Janaína Overdrive, curta com direção e roteiro de Mozart Freire. Não faço a menor ideia de onde eu poderia assistir esse curta, mas tô botando aqui na lista porque é muito relevante. Leiam The rise of Brazilian transgender cyberpunk, da Lidia Zuin, que fala sobre a obra.

O trabalho do ilustrador e animador João Antunes Jr.

Cyberpunks, sketchbook temático do artista Silvio dB. Projeto que foi bem-sucedido numa campanha do Catarse em 2016.

+++

Reitero: a lista ainda está em formação e, tomara, crescerá. Quem tiver recomendações de obras, pode entrar em contato por Twitter, Facebook ou email.

Até lá, vamos ouvindo a playlist de Root:

+++

Tá curtindo o blog? Deixa uma gorjeta!

O blog não possui área de comentários. Gostaria de comentar o que eu escrevo, fazer perguntas e participar de conversas sobre a vida, o universo e tudo mais? Vire apoiador/a do Alliahverso e venha papear com a gente no grupo exclusivo para apoiadores!